Pular para o conteúdo principal

Entenda a Greve de Ônibus de Jundiaí





A Greve é uma das maneiras de busca dos interesses da classe trabalhadora. Paralisar a força coletiva de trabalho com o objetivo pressionar a classe patronal a posicionar-se numa mesa de negociações.



A classe patronal –empregador- se recusa a conceder o aumento que a classe trabalhadora quer e oferece 9 % ao invés dos 17 % reivindicado.

Com a recusa da classe patronal, a classe trabalhadora se reúne em assembléia no Sindicato e opta pela paralisação da força de trabalho.



A partir de um momento em que se paralisa um serviço essencial para a população outros setores da sociedade passam a ser coadjuvantes. Em Jundiaí o poder executivo deve se pronunciar e, se caso for, tomar os serviços para administrar até que a greve tenha fim.

Muitos usuários reclamam do preço da passagem e estamos diante de uma situação que o valor da passagem poderá sofrer reajuste.

Recentemente tivemos aumento de preço dos combustíveis e com a reivindicação do aumento de salário da classe trabalhadora dificilmente os valores da passagem de ônibus continuará o mesmo.

O maior prejudicado com tudo isso é a população que depende do transporte coletivo para se locomover, para ir ao trabalho ou para ir a um hospital, a população esta sendo prejudicada.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALIENAÇÃO PARENTAL: VOCÊ PODE PERDER A GUARDA DO SEU FILHO!

É comum vermos os pais se unirem para cuidar dos filhos, mesmo estando separados. Essa prática é a mais indicada, pois gera um ambiente amigável e sadio para as crianças.
Só que nem sempre é assim. Há momentos em que o casal usa a criança para se vingar do cônjuge que não vive no mesmo ambiente e isso é caracterizado como crime, além de prejudicar o desenvolvimento da criança.
Recentemente, fui questionado pela mãe de um recém-nascido sobre a possibilidade dela impedir o pai de ter contato com a menina, já que estavam separados.
O Código Civil diz que: “A separação judicial, o divórcio e a dissolução da união estável não alteram as relações entre pais e filhos senão quanto ao direito, que aos primeiros cabe, de terem em sua companhia os segundos”.
Alienação parental ocorre quando um dos pais tenta “programar” a criança para odiar o outro genitor. Um dos pais usa a criança para agredir, de forma indireta, o outro ou tenta controlar os sentimentos da criança em relação ao outro genitor, atr…

MORADORES DE RUA SÃO ESPANCADOS NA PRAÇA SÃO BENTO.

A inviolabilidade da vida e a dignidade da pessoa humana não parece existir para os justiceiros de uniforme. Na noite de sexta-feira dia 23 moradores de rua receberam uma bela surra de um grupo uniformizado.
A denúncia foi feita por um grupo de voluntários que servem sopas nas madrugadas pela cidade.
Segundo o que foi apurado, os justiceiros estavam procurando ladrões e, por não encontrar quem roubou um botijão de gás na vizinhança, resolveram espancar pessoas que se encontravam dormindo desprotegidas.
Essa atitude retrata a crueldade humana. Será que espancar moradores de rua é uma forma eficiente de espantar ladrões de gás? Isso é um absurdo!
Por muito mais nossos representantes políticos não tomam se quer um tapa na cara.
A valentia do grupo uniformizado evidencia a ignorância e a falta de amor ao próximo.
Peço a esse grupo uniformizado que tenham coragem de se entregar a polícia.

Peco a esse grupo uniformizado e organizado espancador de pessoas indefesas para se apresentarem no Minist…

CADÊ MEU REMÉDIO?

Todos os nascidos em território nacional ou naturalizados brasileiros têm direito a medicação necessária para o alcance adequado do resultado do tratamento médico que lhe foi ministrado, é o que determina a Constituição Federal. Embora o poder público tente justificar a falta do fornecimento de medicamento gratuito, não acredite, você tem que saber a verdade. A justiça tem se posicionado a favor do cidadão e obriga o município a conceder o medicamento.   É obrigação Legal do Poder Público, aí incluindo solidariamente qualquer das esferas do governo (União, Estados e Municípios), o fornecimento de medicação gratuita, configurando ato ilegal tal recusa, por violação a mandamento Constitucional. Não cabe ao ente público questionar se a medicação pretendida é ou não adequada para o tratamento, tarefa que cumpre única e exclusivamente ao médico que assiste o paciente. Algumas vezes os medicamentos de fato estão disponíveis na rede pública, sendo indicado buscar a Justiça quando ele esteja em f…